mãe de fases

PicNic – Rede de apoio materno

Olá mana, vim compartilhar com vocês hoje essa experiência de participar de um picnic materno que aconteceu no último sábado no Rio de Janeiro. Foi muito bom, imaginem um encontrinho com outras mamães, trocando experiências, dúvidas, dicas, … Foi bom de mais.

Participo de uma rede de apoio materno, onde as mamãe compartilham de tudo e assim tornamos a maternidade mais leve. Conheci várias mamãe virtualmente e com o encontro, tive a oportunidade de conhece-las pessoalmente.

Pic Nic

Fase Jovem Avó

Mãe de fase jovem avó

No post de hoje, vou compartilhar com vocês essa fase jovem vovó.

Ser avó na juventude é uma consequência na vida de quem se tornou mãe ainda na adolescência. Pelo simples fato de termos filhos cedo, os netos também viram cedo, claro que para toda regra tem uma exceção. Como já havia falado um em post aqui do blog, engravidei aos 14 anos e minha filha nasceu quando completei 15 anos, hoje tenho 31a e minha filha 16a.

Não vou mentir, mas eu já me imaginava avó, principalmente quanto minha filha completou 14 anos. Olhava para ela e me via na mesma idade e passou vários filmes na minha cabeça, lembrei de todas as coisas que minha mãe me falava quando tinha a mesma idade. Na época era um saco, não vou mentir e hoje vejo toda a importância de cada palavra, frase e sermão. Me tornei mãe, e só quando entramos na vida materna é que damos valor e vem aquela frase clichê: “Bem que minha mãe falou” rss

Vou ser avó e tomei um susto, embora era algo que eu já imaginava que poderia acontecer, embora estivesse na torcida para não ser tão cedo como eu, Levi está a caminho, sim, é um menino e já é muito amo e esperado.

Já me perguntaram, qual é a sensação de ser vovó rss Simplesmente é uma sensação que só vivendo para saber, assim como a maternidade, não tem explicação, é algo que se sente e não se explica. Agora estou sentindo o mesmo que minha mãe quando eu engravidei, olho pra minha filha e me vejo á 17 anos atrás.

Uma coisa é certa, vou ser uma super vovó, afinal de contas, é como se fosse mais um filho, ser vó não é esta velha e sim a oportunidade de reviver toda a maternidade, mas com um olhar diferente.

dicas

Blog – Por onde começar?

Olá manas, no post de hoje, vou compartilhar com vocês algumas dicas pra quem quer criar um blog. Tem certeza que quer criar um blog? ainda tem dúvidas? então continue lendo o post.

Ser blogueira não é tarefa fácil, pois exige dedicação, tempo e criatividade. Vou deixar aqui algumas dicas para quem quer começar a blogar.

1- Nome do blog
Uma das maiores dificuldades de quem esta começando é saber se vai utilizar o seu próprio nome ou se vai criar um nome que identifique seu conteúdo. Com o crescimento dos blogs, esta difícil encontrar um nome criativo, mas não é impossível, pesquise e analise se o nome escolhido tem haver com o tema a ser abordado.

2- Nicho

A escolha do nicho é muito importante, com ela vai ser mais fácil organizar seus post e atingir seu público alvo. Com o que você se identifica? o que gosta de fazer ou falar? tem conhecimento do assunto? a partir dessas perguntas, você vai ter a resposta do ponto de partida (ex: maternidade, beleza, culinária, … ).

3- Tema

Mesmo tendo escolhido seu nicho, vai precisar de um tema, ou seja, se o blog vai abordar assuntos maternos, escolha qual seguimento da maternidade você vai querer compartilhar. (ex: gestação, alimentação, looks, … ) não que você esteja limitada a um único tema, mas, para começar a criar conteúdo, fica mais fácil para organizar os post e depois vai ampliando os temas.

4- Mídia social

Saber em qual mídias você vai querer trabalhar é muito importante. Hoje temos uma variedade de rede social, o bom seria ter uma conta em cada uma, assim aumentam as chances do seu publico te encontrar. As redes sociais mais populares são: Instagram, facebook, tweeter, youtube e o site.

5- Frequência

A frequência das postagens é muito importante, pois quem te segue já sabe que nesse determinado dia, vai ter um novo post. Pra quem esta começando, aconselho a ter posts prontos ao menos para os 3 primeiros meses, pode parecer muito, mas, é mais fácil ter 2 ou 3 messes programados, do que fazer postagem pro dia ou para semana, principalmente para blogs maternos (Nem sempre vamos ter tempo para fazer postagens de um dia para o outro).

6- Identidade visual

Depois de escolher o nome e o nicho, chegou a hora de escolher a imagem que reflita a imagem do seu blog. A identidade visual pode ser um desenho, símbolos, formas, … de uma forma que seus seguidores associe a figura ao seu conteúdo. Tem que ser algo feito para você, pois algumas logomarcas tem direitos reservados, impedindo que seja associado a outras marcas.

Blog materno mãe de fases
Blog mãe de fases
dicas

6 dicas para você empreender

Olá manas! No post de hoje, vou compartilhar com vocês, algumas dicas para futuras empreendedoras.

O empreendedorismo materno, pra quem ainda não conhece, nasceu da necessidade de ter mais tempo para se dedicar a maternidade sem abrir mão da independência financeira, pensando nisso, muitas mães resolveram colocar a mão na massa e atender as necessidades de mães e futuras mamães.

Separei um top 6 de dicas para começar seu empreendimento.

1- Vestuário para gestantes

Você já deve ter passado por isso, ver um roupa linda, e não poder usar pelo fato do aumento de medidas ( quadril, seios, barriga, …). Investir em uma linha de roupas para gestante é um ótima ideia, quem melhor que nos mesmas, para entender a necessidade de vestir algo confortável, simples e sem abrir mão da elegância.

2- Decoração de interiores

Um dos momentos mais prazerosos da maternidade é a decoração do quartinho ou cantinho do bebê. Nem todas as mamãe tem um quarto exclusivo para a chegada do recém-nascido, algumas mamãe fazem adaptação do seu quarto para acomodar seu bebê. Objetos de decoração é uma boa pedida para investir, como não se encantas com quadrinhos, almofadas, mobile, porta-fraldas, lembranças de maternidade … Tem vários mimos para deixar o ambiente super aconchegante.

3- Cosméticos e produtos de beleza

Dúvidas quanto a estética e a beleza durante e depois da gestação é super comum, compartilhar com outras mamães e gestantes sobre os cosméticos e produtos que você usou ou usa para estrias, bico rachado, massagens, manchas, … pode ser muito válida. Já pensou em se tornar uma consultora? tem muitas marcas boas no mercado, que são desconhecidas por esse público, até mesmo por buscarmos as mais populares.

4- Artigo para festa

Com tanta novidade em festinhas, o que não falta são ideias de temas infantis (ainda mais com a onda dos “mêsversários”), festas de aniversário, chá de revelação, chá de bebê, … Vale abusar da criatividade, lembrancinhas, convites, brindes personalizados, decoração, banner … Esse é um mercado que abrange todas as faixas etárias e tem mercado de janeiro á janeiro.

5- Bolos, doces e salgados

Falando em festa, não poderia deixar de lado, a parte mais gostosa: bolos, doces e salgados. Esse é um setor que se faz independente de festas, pois, não é só em aniversários que se come bolos, guloseimas, … Esse também é um mercado de janeiro á janeiro, pois, não é só em festas que comemos um bom bolo, temos as reuniões, lanche da tarde, café da manhã, … O mesmo acontece com os doces e salgados.

6- Loja de vestuário e acessórios infantis

Esse é um mercado que tem opções variadas de investimento, que vai do recém-nascidos ao infanto-juvenil. Na linha de vestuário, vai desde pijamas a roupas de festa, conjuntos de frio a moda praia, … Quantos acessórios: boné, chapéu, tiaras, laços, … E o diferencial é o seu toque pessoal.

Se você não tinha ideias ou dúvidas, espero ter ajudado com essas dicas.

Até o próximo post!

Mães empreendedoras
Mãe de Fases
mãe de fases

Maternidade x profissão

Olá manas, no post de hoje, vim compartilhar com vocês, algumas informações sobre empreendedorismo materno.

Maternidade ou profissão? Parece uma decisão difícil de ser tomada, até por que, ambas exigem dedicação e tempo. Diante desse cenário, resolvi retornar ao mercado de trabalho, mas, de uma forma que não me anulasse como mãe.

 

Trabalhando e acompanhando o desenvolvimento escolar

 

Muitas mulheres, adiam a maternidade para se estabilizar profissionalmente, fazendo com que, o sonho de ser mãe, seja um plano a logo prazo, em algumas, nem despertam esse desejo materno. Por outro lado, mulheres que escolhem a maternidade e optam pelo adiamento de seus planos profissionais, por não querer terceirizar a maternidade.

Engravidei cedo, ainda na adolescência, nesse período, ainda estava estudando, terminei o segundo grau e decidi a estudar jornalismo, mas engravidei do meu segundo filho e adiei os planos da faculdade e comecei a trabalhar. A vontade de cursar o ensino superior, ficou de lado, quando me vi trabalhando em uma área totalmente diferente da comunicação. Engravidei do meu terceiro filho, já em uma fase um pouco mais madura, porém, não tinha me decidido em que curso gostaria de me formar, isso ainda trabalhando na área da saúde, mas, me sentindo um peixe fora d’água. Engravidei do meu quarto filho e já estávamos em uma situação financeira confortável e pude me dedicar única e exclusivamente pra mim e para meu filhos.

Por conta de decisões como esta, algumas mães, encontrão dificuldades para retornar ao mercado de trabalho, tanto por não se atualizar no mercado, quanto ao foto de não querer terceirizar a educação e formação dos filhos.

Pensando em tudo isso, foi que eu resolvi me tornar uma mãe empreendedora. Esse projeto, já tem algum tempo, mas, nunca conseguia tirar do papel, e que aos poucos, esta se tornando realidade. Não vou precisar escolher entre ser mãe ou profissional, posso ser profissional sem abrir mão de ser mãe, agora faço parte do movimento empreendedorismo materno. 

maternidade

A hora do desfralde

   A criança quando entra nessa fase, é sinal de independência e precisa mais atenção, venha com uma fralda, uma criança fica mais a vontade para fazer suas necessidades e até acostumar que esta sem a fralda, como vezes, o xixi na cama, não chão … Às vezes é inevitável. Por isso, devemos atentar aos sinais.

  O Guel já está no processo 5 meses, e não é dificuldade na prática. Nesse aponta uma creche para um fator fundamental pra isso acontecer, além de observar os coleguinhas pedindo, como tias semper perguntavam “Mais alguém quer ir ao banheiro”. Em casa, ainda faço o uso da fralda na hora do soninho da tarde e noturno.

   Confesso que chega um ser desanimador no começo, até uma vontade de voltar para as fraldas rss. Quando o deixa o que é o shortinho, percebia que ele gostava, até por que, incomovadava, era um alívio. Quando eu percebia que ele estava muito quieto, era fato não está cantinho fazendo xixi ou côco. Me mantenho a pensar de forma divertida que, a pode ficar tranquilo que é uma coisa normal e não tem problema se ele fez xixi ou cocô na roupinha, porque no começo é assim mesmo. Isso passa segurança para criança e evita traumas.

   Por conta da praticidade, nos nos encontremos com um fralda, agora o desfralde é mais trabalhoso, até um recado sem bônus que queja pelo ônus.

By mãe de fases
relacionamento

Relacionamento á distância

    Um relacionamento com convivência diária já é complicado, agora imagina á distância. Pois é, assim que meu marido passou no processo seletivo, para trabalhar em uma empresa no exterior, o nosso relacionamento foi na base da confiança. 

      Estávamos muito animados com essa mudança, afinal, seria muito bom pra nossa família, conhecer um novo país, uma nova cultura, poder praticar um novo idioma e deixar conhecimento para nossos filhos. Meu marido sempre deixou bem claro o seu interesse em morar fora, e foi me contagiando com essa possibilidade. Na teoria, tudo é mais simples, mas na prática, fica totalmente diferente. Eu sabia que muita coisa iria mudar, mas, não imagina que seria tanto. Planejamos outro filho, assim que estivéssemos estabilizados, isso já em outro país.

     Estava dando tudo certo, os planos estavam se concretizando, quando eu descobri que estava grávida. E todo o projeto? planejamentos? me vi perdida, tendo que adiar várias coisas, e confesso que fiquei preocupada, porém feliz. Queríamos outro filho, mas, nosso planos, era pra dois anos. Não mudamos nada, continuamos como o planejado, sendo que, agora, eu teria que esperar para viajar e adaptar um bebê na história toda.

      Eu estava grávida de sete meses quando ele embarcou para os Emirados Árabes (Sim, ele foi para o Oriente Médio), uma cultura totalmente diferente da nossa, estilo de vida que não chega nem perto da nossa realidade no Brasil. Fiquei muito preocupada, estava sensível, final de gestação, vários pensamentos positivos e negativos … É um filme que passa em nossa cabeça, mas, fiquei firme. A tecnologia ajudava muito, nos falávamos todos os dias por aplicativos de chamada de vídeo, trocávamos fotos, informações, … Isso passava segurança e tranquilidade.

     Quando finalmente chegou o dia do embarque, não pude me conter e cai em lágrimas. Fomos todos ao Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), e foi tudo muito rápido, check in, despache de bagagens, vai aqui, vai ali, … Chegamos com 1:30hs de antecedência, que mais pareciam 20 min. 

     Ele embarcou, e assim, começou o nosso relacionamento á distância.